Você está aqui: Página Inicial > Seus Direitos > Política Penal > Notícias DEPEN > Depen participa da 2ª fase da Operação Phoenix

Destaque

Depen participa da 2ª fase da Operação Phoenix

Força Tarefa de Intervenção Penitenciária inicia a intervenção nos Pavilhões 1, 2 e 3 de Alcaçuz
publicado: 20/03/2017 16h31 última modificação: 20/03/2017 16h31

Brasília, 20/03/17 – Hoje (20), às 5 horas da manhã, começou a segunda fase da Operação Phoenix no Presídio de Alcaçuz- RN. Agentes federais de execução penal, agentes penitenciários estaduais do Rio Grande do Norte e de outros estados que compõem a Força Tarefa de Intervenção Penitenciária (FTIP) iniciaram a intervenção nos Pavilhões 1, 2 e 3 de Alcaçuz, que abrigavam os presos da facção “Sindicato do Crime”. Cerca de 500 presos estão sendo transferidos para o Pavilhão 05 (Presídio Rogério Coutinho), onde ficarão custodiados em espaços separados dos demais presos do PCC, que estão custodiados nesta Unidade.

O objetivo é dar continuidade no processo de intervenção e reformas dos pavilhões, o que visa garantir a segurança dos servidores penitenciários e colaboradores da Força Tarefa. Os presos foram removidos para que a Secretaria de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte possa iniciar as reformas necessárias nos pavilhões, concluindo com maior brevidade possível.

A expectativa é que os presos comecem a retornar para os pavilhões em 30 dias, conforme o espaço seja reestruturado. Neste período, o Departamento Penitenciário Nacional (Depen) reforçou a equipe da FTIP com mais de 100 agentes federais de execução penal e agentes penitenciários estaduais para garantir os procedimentos e a segurança dos presos custodiados no Presídio Rogério Coutinho.

Segundo a diretora do Sistema Penitenciário Federal, Cintia Rangel Assumpção, “o controle dos pavilhões é representativo como chancela da ordem, da segurança e das garantias dos direitos aos presos, sendo uma demonstração clara de que a união de forças é capaz de transformar estabelecimentos penais, nos quais a ausência do Estado se manifesta na violência, no caos e na iniquidade. ”